19 fevereiro, 2011

A Oratória do Vácuo






Então alguém começou a falar, alguém que eu não conhecia. Primeiro ouvi-o com estranheza e depois com fascínio. Estava a falar sem dizer nada. O seu discurso tinha estrutura, as frases tinham um começo e um fim e seguiam-se umas às outras (...) e aquilo que ele recordava e nos transmitia para reflectirmos parecia ter substância. Mas no fim não resultou em nenhuma tese, nenhuma ideia, nem afirmativa nem crítica. Era o evitar de qualquer compromisso, de qualquer opinião, em relação à qual poderia surgir alguma crítica ou merecer alguma autocrítica. Era uma arte de falar que obedecia a leis próprias e difíceis e que a maior parte das vezes apenas poderia ser lamentávelmente mal acabada, mas que se desenvolvera e se tornara numa arte. Era uma arte absurda.


Bernhard Schlink - O Regresso



4 Comments:

Anonymous henedina said...

Quem escuta "ouve" o que não quer.

23 fevereiro, 2011  
Blogger Filipa Júlio said...

fotografia fantástica.

23 fevereiro, 2011  
Blogger Windtalker said...

Henedina, o problema não está nesses, mas nos que tudo ouvem e tudo lhes parece bem...

Filipa, obrigado!...

23 fevereiro, 2011  
Anonymous henedina said...

"Primeiro ouvi-o com estranheza e depois com fascínio. Estava a falar sem dizer nada. O seu discurso tinha estrutura, as frases tinham um começo e um fim e seguiam-se umas às outras (...) e aquilo que ele recordava e nos transmitia para reflectirmos parecia ter substância. Mas no fim não resultou em nenhuma tese, nenhuma ideia, nem afirmativa nem crítica. Era o evitar de qualquer compromisso, de qualquer opinião, em relação à qual poderia surgir alguma crítica ou merecer alguma autocrítica." Leio com prazer, o dono desta arte absurda apesar de não resultar em nada...em memória do fascínio.

24 fevereiro, 2011  

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home