23 novembro, 2011

(Con) Trastes




Hoje fui ao sótão. Abri o baú e peguei em nove embrulhos ao acaso, que ao fim de vinte anos de reclusão poeirenta e solitária, como que estremunharam ao regressar à luz.
Mal foram desvendados, quase todos, quais fogachos débeis de pólvora velha, se tornaram imediatamente obsoletos e dispensáveis; o tempo não perdoa às recordações que o hoje não consente, não tolera ou justifica.
Aos restantes, os discretos anos de olvido aportaram uma fina capa de elegância sóbria, impregnaram com uma essência de sedutora cumplicidade, aureolaram com uma beleza apenas perceptível por vias da delicada teia das amizades que perduram e da alegria do reconhecimento do que valeu a pena ao longo de todo este tempo de pousio.

O que de bom ainda vier, será sempre um inestimável bónus.


4 Comments:

Anonymous henedina said...

"...quando a alma não é pequena".

04 dezembro, 2011  
Blogger Windtalker said...

...se a alma fôr pequena, a caravana limita-se a passar!

06 dezembro, 2011  
Blogger francisco said...

há muito que destinei o sótão para criar macacos. alegram-me a existência e não sei o que faria sem eles.

07 dezembro, 2011  
Blogger Windtalker said...

Os sótãos são fascinantes, já os macacos...também.

07 dezembro, 2011  

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home