29 janeiro, 2010

A Corrosão


Numa ilha-domínio fustigada pelos Kamis dos ventos e das águas, três silhuetas femininas fitam obsessivamente o destroço da ponte de madeira que as mantém ténuemente ligadas a terra firme. Frágeis marionetas envoltas em seda e ódio, esfinges petrificadas ancoradas na rocha como Tako, o polvo e símbolo do clã, abraça o coral com os seus poderosos tentáculos.




“Que a peste assole este exílio detestável onde hipotecamos a nossa juventude sem esperanças de evasão”




“Refinadas manas, serão as vossas pérfidas linguas menos afiadas que o fio da minha lâmina?”


TAKO © Yann & Michetz


Do cíume e da inveja como armas de destruição maciça.

.

0 Comments:

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home