22 setembro, 2010

Setembro





Esvai-se, sedutor, rumo ao desabrochar do equinócio com um espreguiçar indolente e frívolo, embora ainda reverberante das frenéticas titilações do estio.

Há-de ainda rejubilar, esplêndido, com dardejantes e coloridos fulgores que os seres, as coisas e a paisagem absorverão sôfregamente, numa derradeira ânsia vital, intuindo a próxima - aquela tão baça e húmida - estação.


Em Setembro, algures no seu percurso, o futuro fica em suspenso e dissolve-se. É já e só, longe, muito depois de amanhã.








.

2 Comments:

Blogger teca said...

A sua poesia é rica... e as fotos estãolindíssimas!

Obrigada pela visita no meu cantinho... Apareça quando quiser.

Beijos.

01 outubro, 2010  
Blogger Windtalker said...

Benditos elogios!
Claro que passarei...

01 outubro, 2010  

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home