07 junho, 2007

Osmoses

Lançámos amarras no solitário e deserto rochedo, descia já o sol ao longe. Em fundo numa mancha indistinta ainda não pintada com as luzes nocturnas, Ibiza, a que nos levara a buscar um pacífico refúgio, pelos excessos cometidos. O ilhéu, pequeno, era um porto natural simpático que nos concedia fácilmente o acesso...nele montámos o churrasco, na sua superfície irregular acomodámos as costas, sobre ele, neste “end of a perfect day”, vimos o rei-sol afogar-se no mar, angústiadamente vermelho, e as estrelas a despontar, a lua (tranquila), crescer e inundar os perfis. Nele alguns se perderam...
Ficámos os dois ainda durante algum tempo a absorver toda aquela serenidade. Cruzámos a sugestão e decididamente corremos de volta para o barco, onde nos equipámos. Quando, após o salto tocámos na água, todos os milimetros da nossa pele se aceleraram de emoção e deixámo-nos afundar, quase imóveis, até ao fundo de areia. Apenas o barulho da nossa respiração se ouvia e olhámo-nos (sorrimo-nos? tocámo-nos?) com aquela cumplicidade gerada pelos momentos inatingíveis. Olhei então na direcção da superfície. O luar refractava-se em milhares de focos suaves que nos faziam brilhar as pupilas. Quando desliguei a lanterna o sublime assombro envolveu-nos... o plâncton, com todas as suas constelações, reverberava à nossa volta embalado pela meiga caricia da luz da lua (agora tão vibrante). A vida, toda, primordial, envolvia-nos de uma forma absoluta. Só nos restava comungá-la...

1 Comments:

Blogger Biby Cletus said...

Cool blog, i just randomly surfed in, but it sure was worth my time, will be back

Deep Regards from the other side of the Moon

Biby Cletus

07 junho, 2007  

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home